O QUE NÃO É O TAROT TERAPÊUTICO?

 

Quando em 1987 acunhei o termo de “Tarot Terapêutico” para a visão do Tarot que desenvolvi, poucos usavam o Tarot com uma outra finalidade que não fosse a divinatória. De fato, quando empecei a escrever o libro "Curso de Tarot E seu uso terapêutico" realizei uma minuciosa busca nas livrarias especializadas do Brasil de textos que me pudessem ajudar e o pouco que encontrei não foi fonte de inspiração para meus escritos.

No entanto ultimamente estou vendo páginas web e do Facebook, blogs, embora não tanto livros, que mostram o Tarot com um fim terapêutico. Com muita alegria vejo que o Tarot está começando a sair do âmbito divinatório donde esteve durante séculos e acompanhando o caminho da astrologia está mais a procura do autoconhecimento do que de desvendar o futuro.

No entanto neste florescer de Tarots Terapêuticos vejo alguns que de terapêuticos tem pouco ou nada, outros que me copiam literalmente, desde a definição do Tarot Terapêutico, seus 5 Princípios ou até a Leitura Terapêutica sem mencionar o autor, o livro ou a página donde fizeram Ctrl + C. Afortunadamente tem alguns que desenvolvem sua própria línea de investigação chegando a conclusões sintonizadas com as minhas ou não, a vezes em função do Tarot escolhido (cada maestrinho tem seu librinho) dando diversidade e amplitude a este novo campo de aplicação do Tarot que entre todos estamos abrindo.

Não  pretendo monopolizar o termo “Tarot Terapêutico” mas gostaria tentar que meus leitores saibam discernir um Tarot Terapêutico de outro que de terapêutico tem o nome. Para isso, vou tentar deixar claro o que, segundo minha visão, não  é um Tarot com abordagem terapêutica.

Um Tarot não é terapêutico quando

1.       Responde sim ou não a uma pergunta. Devo acabar este relacionamento? ¿Convén mudar de casa?

2.       Indica a opção “correta” frente a uma dúvida. ¿Continuo no banco ou abro minha própria empresa?

3.       Responde a perguntas sobre assuntos específicos. ¿Vou ser feliz neste relacionamento?

4.       Dos conselhos sobre assuntos específicos. Que posso fazer para ganhar mais dinheiro?

5.       Xereta a vida de terceiros. ¿Mi marido me engana? ¿O que quer esta pessoa de mim?

 Nos 4 primeiros casos e frequentemente também no 5º, o tarotista está tirando a responsabilidade que a pessoa tem sobre sua própria vida para joga-la nas suas costas. O 1º passo em qualquer processo terapêutico é fazer que a pessoa deixe de colocar a responsabilidade de como está sua vida em terceiros: a vontade de Deus, a sorte, a existência, o companheiro ou companheira, os pais, a sogra, os políticos, a crise económica, etc. Em nenhum caso o terapeuta, usando o Tarot ou qualquer outro instrumento ou técnica, pode oferecer a solução aos problemas de seu paciente indicando-lhe as decisões, segundo ele, corretas que deve tomar, pois assim o infantiliza, senão deve dar-lhe as chaves para que  o consultante encontre por si mesmo as soluciones. Não dê um peixe, ensina a pescar.

Como efeito colateral desta irresponsabilizacão se cria ainda um vínculo de dependência entre o consultante e o tarólogo, excelente para o bolso do tarólogo, mas nefasto para o crescimento do consultante.

O ser humano não é um somatório de assuntos, geralmente saúde, trabalho, dinheiro e amor.  Um problema aparentemente econômico pode estar enraizado numa falta de autoestima ou uma adição a drogas pode proceder de escolhas professionais que pelo fato de não ter nada a ver com a pessoa não proporcionam gratificação profunda.  É como o especialista que quer curar o fígado do paciente sem observar o resto de seus órgãos.  Terapêutico não é analisar os assuntos que a pessoa traz mas colocar o foco da leitura na pessoa que vive esses assuntos.

A graça está em que, embora o consultante não formule perguntas ou coloque duvidas, o Tarot Terapêutico as responde não de uma maneira explícita evidentemente, senão identificando que é o que está por detrás de essas dúvidas, preguntas u opções.

Por exemplo se alguém chega dividido entre duas opções e mesmo que não fale nada, percebe durante a leitura que uma opção está vinculada a seus medos e velhos padrões de comportamento e outra é a expressão de seus talentos ou o que lhe pede sua essência, então já sabe que opção deve tomar para crescer. Ainda o tarólogo pode dar-lhe técnicas para entender e desativar seus medos.

Bem, vendo o que o Tarot Terapêutico não faz, vocês podem perguntar-se: Então o que faz o Tarot Terapêutico? Tal vez a definição dada na 1ª publicação seja ampla demais, de maneira que disso tratará a próximo: Como trabalha o Tarot Terapêutico?

 

Voltar