O KARMA

 

O concepto de karma nasce numa das sociedades mais rígidas e machistas do planeta: a hindu, estruturada em monolíticas castas, onde quem nasce paria vai morrer paria, durante dúzias de encarnações. No pódio evolutivo a mulher só estaria por cima do cachorro e, claro, por baixo do homem. Teria que ser uma “boa mulher” durante x encarnações para um dia poder ascender até a categoria de homem. Assim segundo esta visão o karma é uma corrente à qual temos que nós submeter, renunciando a qualquer sonho de melhora para, quem sabe um dia, ser premiado com alguma mudança.

Quando a ideia do karma chegou ao ocidente foi temperada com as doutrinas judaico-cristãs tomando a forma de um castigo merecido, de um destino inexorável, de uma dívida contraída no passado geralmente produto da desobediência às normas previamente estabelecidas pelos detentores do poder que deve ser paga em inúmeras vidas. Quantas vezes temos escutado comentários do tipo? “Meu casamento está horrível, mas alguém (tarólogo, espírita, astrólogo, numerólogo, etc.) me falou que estou pagando um karma e que se me separo agora estarei fugindo de meu karma e na próxima vida terei que aguentar de novo essa pessoa e será muito pior.” Quando na verdade, se passamos anos aturando uma persona criamos um vínculo tão forte com ela que na próxima vida a primeira persona que vai aparecer será essa mesma.

Autores mais modernos como Madame Blavatsky falam que o karma nada tem a ver com prêmios e castigos, provas e sofrimento e nos remetem à lei de causa e efeito afirmando que o karma é a consequência de nossas ações e omissões tanto da vida atual como das vidas passadas, segundo o ditado: “Você colhe o que planta”. No entanto continuam dando uma conotação negativa quando afirmam que criamos mais karma quando nossas ações não são corretas, como se o karma fosse uma acumulação de erros pelos quais mais cedo ou mais tarde teremos que pagar. Cabe preguntar-se em nome de que princípios catalogamos algo como correto ou incorreto, certo ou errado. É importante entender que a lei de causa e efeito é uma lei física e não uma lei moral. Estamos cansados de ver pessoas que vivem criando sofrimento a torto e a direita, e mesmo assim não cai um raio nas suas cabeças, assim como pessoas que não fazem mal a ninguém e parece que só atraem desgraças. A justificativa de que no futuro os primeiros pagarão e os segundos estão pagando pelos erros cometidos no passado parece muito simplista e em muitos casos dá lugar a correspondências folclóricas que podem até justificar situações inaceitáveis: “Esta mulher deve deixar que o marido continue golpeando-a porque na vida passada era ela que batia nele”.

O karma não é bom nem ruim, simplesmente é. No seu significado literal significa ação. O karma é a ação que nos coloca na posição que nos corresponde no caminho da evolução ou se preferir da individuação, em função daquilo que já tínhamos avançado e do que nos falta por percorrer.

Este planeta é uma escola onde podemos passar do 0% ao 100% de consciência. Para isso temos a oportunidade de encarnar sucessivas vezes, mas no momento que alcançamos o 100% já não necessitamos voltar para a escola, pois já aprovamos convenientemente todas as matérias e cumprimos nossa missão tornando-nos seres completos.  Imaginemos que se trata de uma escada de cem degraus e numa determinada vida chegamos até o 25, temos então 75 degraus pela frente que ainda não resolvemos, degraus que a partir da sombra do inconsciente continuam nos manipulando seja através das projeções (ver a 1ª chave do bem-estar) seja distorcendo nossa percepção da realidade ou revivendo automaticamente certos padrões de conduta.

Quando a gente morre o corpo volta para a terra e o espírito fica de férias, livre do peso da inconsciência ascende até as estratosféricas regiões do nirvânico 100% de consciência, mas na bunda espiritual leva um carimbo que fala 25%. Assim quando encarnamos de novo vamos a sentirmos irremediavelmente atraídos para fazê-lo através de um casal que também está vibrando a 25% e embora, salvo graves problemas intrauterinos, quando nascemos somos seres perfeitos, integrados e potencialmente completos, independentemente de se fomos um Pinochet ou um Ghandi, esse casal vai nos colocar exatamente no ponto de evolução que estávamos na última vida.  A programação infantil que transforma seres amorosos, espontâneos, verdadeiros, alegres, inocentes, imprevisíveis e perceptivos em candidatos a escravos de padrões e normas de conduta, falsos, amedrontados, carentes e frustrados, é a concretização fundamental de nosso karma.

Assim a família, ajudada pelos meios de comunicação, religiões e em menor grau a escola, nos “karmatiza” até colocarmos no mesmo ponto de evolução que estávamos na encarnação anterior, dando-nos assim a oportunidade de encarar e resolver aquelas questões internas, medos, feridas de abandono ou de rejeição, padrões autodestrutivos, auto invalidação, necessidade de se impor, síndrome de Peter Pan, etc., que arrastamos de vidas anteriores.

Não podemos culpar nossos pais pela “educação” que nos deram, pois era necessária para que déssemos continuidade às questões internas que estamos burilando, obrigando-nos a encará-las. Isso não quer dizer que os pais não sejam responsáveis da programação infantil pois poderiam ter feito diferente, mas carece de sentido acusá-los de nossas dificuldades internas que limitam nosso viver, pois finalmente temos todo o resto da vida para continuar avançando na escada evolutiva ampliando a consciência do que somos, ou permanecer no mesmo lugar ou dar ré.

Enquanto não ampliemos nossa consciência nossas ações continuaram sendo as mesmas e, portanto, é mais funcional entender o karma, não como a lei que nos obriga a encarar as consequências de nossas ações ou omissões, coisa que nos pode levar a interpretações extravagantes, mas como o princípio que nos posiciona no ponto exato de evolução de nossa consciência desde o qual podemos arribar a níveis mais profundos. Para acabar direi que sendo os pais, através da programação infantil, o elemento de conexão entre várias vidas, ou seja, são eles quem colocam na criança o karma que traz de vidas anteriores, será justamente na infância quando assumiremos nosso karma, embora tenhamos o resto de nossas vidas para administrá-lo. 

 

Voltar