AUTOACEITAÇÃO: SER OU NÃO SER

Certas tradições espirituais falam que a origem do sofrimento está no desejar. A origem do sofrimento está na falta de auto-aceitação. Quando uma pessoa não se aceita como ela é, procura aceitação no mundo externo e imediatamente tenta ser alguém que não é, tenta parecer-se com determinados modelos, tenta construir uma imagem externa diferente do que ela é interiormente.

Quanto mais nos distanciamos do que somos para tentar ser o que não somos, para tentar ser o que queremos ser ou o que achamos que os outros querem que sejamos, maior é o sofrimento. De fato pretendemos o impossível, um pé de maçãs nunca poderá ser um pé de peras. Não podemos deixar de ser o que somos. O sofrimento vem não tanto de não conseguir ser o que não somos, mas de tentar deixar de ser o que somos.

Neste esforço vai embora nossa vitalidade, a vida perde a graça e o significado e um dia não conseguimos mais nos levantar da cama. O médico diagnostica depressão.

O que dá significado à vida é fazer o que vem de dentro. Se os desejos vêm de dentro não nos levam ao sofrimento, mas à gratificação e à realização pessoal profunda. Não existe nenhum sofrimento vinculado com o desejar desenvolver nossos potenciais e talentos, no entanto sofremos quando queremos fazer ou ser algo que nada tem a ver conosco. Quando a criança deseja brincar e se nada a impede, não sofre, transforma seu desejo em ação e desfruta.

A historia da aceitação versus não aceitação é antiga. Começa na infância quando a criança precisa de atenção e aceitação como base de sua sobrevivência física e psicológica. Inicialmente ela é espontânea, mas logo percebe que determinadas iniciativas, atitudes e expressões são melhores recebidas e estimuladas enquanto outras podem chegar a ser explicitamente reprimidas, proibidas ou castigadas. Se o grau de aceitação é elevado à criança conservará sua espontaneidade, se aceitará tal como ela é, irá construindo uma personalidade firme e sensível enraizada na sua natureza profunda e considerará a família e por extensão a sociedade e o mundo como algo seguro, amoroso e receptivo para sua auto-expressão. Quando o grau de aceitação é menor começará a desenvolver as atitudes que são aceitas e a inibir as que não o são. Começará a fingir, tratará de ser alguém que no fundo ela não é, não se aceitará, se negará a si mesma e se esforçará para agir com condutas que lhe proporcionem aceitação.

Infelizmente na família, na escola e diante da TV, aprendemos muitos padrões, aprendemos a imitar, a nos comparar com os outros, mas não aprendemos a ser nos mesmos.

Crescemos nos distanciando de nossa natureza profunda, assumindo funções como o de bom filho, boa esposa, mãe ou profissional. Falam para nos que temos que nos esforçar para ser alguém. Qual é o esforço que deve fazer o pé de maçãs para ser um pé de maçãs e dar maçãs? Ser o que realmente somos não exige nenhum esforço. Fazer de nosso fazer a expressão de nosso ser não pede desenvolver a força de vontade. Precisamos força de vontade unicamente quando tentamos ser o que não somos ou nos exigimos fazer aquilo que nada tem a ver com nossa natureza interior. Podemos tentar de mil maneiras sermos algo diferente do que somos, mas nunca o vamos conseguir, por isso a escolha não é ser isso ou aquilo, a escolha é ser ou não ser. Ou somos o que realmente somos ou nada somos.

A procura da aceitação não acaba na infância, a vida se resume no fundo à procura compulsiva e dolorosa da aceitação que só acaba quando a pessoa realmente aceita a si mesma e se permite ser quem ela é, quem sempre foi e sempre será ou quando desiste de buscar aceitação e decide buscar atenção negativa indo contra da sociedade.

Aceitar-se, significa simplesmente ser o que somos expressar o que somos e para isso, nesta sociedade onde somos bombardeados continuamente pelos “seja assim ou assado, seja isso ou aquilo”, a única exigência é estar atentos.

Atentos a que?

Atentos ao que sai de dentro. Atentos para sentir, acolher, respeitar, atender e integrar os desejos, anelos e impulsos que não são outra coisa mais que a expressão de nossa natureza profunda, de nossa essência, de nossa divindade interna.

E também atentos ao que vem de fora, às circunstancias. O problema não está nas circunstancias, mas em como as encaramos. A mesma circunstancia é geralmente vivida de maneira diferente por pessoas diferentes e isso também depende da auto-aceitação.

Em primeiro lugar é importante entender que as circunstancias que chegam não são aleatórias, mas as atraímos. O processo de crescimento do ser humano consiste em passar para a consciência tudo o que está no inconsciente, sejam impulsos instintivos, emoções, talentos ou potenciais. O inconsciente tem um movimento próprio de levar à consciência seus conteúdos. Quando o individuo se aceita, valoriza o que vem de dentro e o vai integrando paulatinamente a seu insconsciente. Quando não se aceita priorizando as crenças, princípios e normas que ele não inventou à sua própria experiência interna, então reprime, camufla ou sublima estes impulsos internos que se acumulam e por tanto se fortalecem em seu interior. É muito interessante o caso da sublimação onde se desenvolve a espiritualidade, falsa claro, que sendo a compensação de um instinto mal vivido quando não totalmente reprimido se transforma, como diz Enrique Esquenazi, na “bebedeira do ego”.

Neste momento, impedido o caminho direto de levar à consciência os conteúdos do inconsciente, este busca o caminho indireto, isto é, atrai circunstancias que obrigam ao consciente a aceitar, integrar e desenvolver estes conteúdos. Não atraímos o que queremos, mas o que precisamos para crescer.

Por exemplo: Uma pessoa que obedecendo a suas crenças, geralmente interiorizadas na infância, não expressa sua raiva, estará atraindo circunstâncias que provocam cada vez mais raiva até que seja impossível não expressá-la. Uma pessoa que não desenvolve seus talentos e insiste em trabalhar em atividades que nada tem a ver com ela, atrairá um chefe mais exigente, uma ampliação de horas de expediente sem remuneração ou até ser demitido o que pode obrigá-la a desenvolver suas capacidades. Finalmente a melhor maneira de desenvolver uma capacidade é precisar fazê-lo, especialmente se disso depende a sobrevivência.

Quem não se aceita a si mesmo, procurará aceitação lá fora e considerará negativa, rejeitará e sofrerá com as circunstancias que ele interpreta como de não-aceitação e tentará se rodear e se apegará às circunstancias que interpreta como de aceitação. Seu sofrimento virá do medo a perdê-las. Qualquer circunstancia suscitará uma descarga emocional de apego ou rejeição que o dificultará perceber o que esta circunstancia quer mostrar-lhe.
Quem se aceita o suficiente não ficará preso no “porque acontece isto comigo, coitado de mim”? E será capaz de perguntar-se “para que me acontece isto”? Poderá ser o suficiente para estar atento às circunstancias e aproveitar-las para viver, compreender e resolver os conteúdos que aparecem, e assim crescer. Até que não os compreenda e resolva eles se repetem por mais que queiramos outra coisa.

Nosso crescimento se dá em primeiro lugar superando nossas dificuldades, resolvendo nossos bloqueios e em segundo lugar desenvolvendo nossas capacidades. Por exemplo, um indivíduo com sensibilidade musical, enquanto não resolver sua timidez para apresentar-se frente ao público dificilmente vai realizar-se profissionalmente nessa área. Por isso se queremos realizar-nos, se queremos sair do sofrimento, se queremos ser felizes, não precisamos sair à procura de escolas de conhecimento, gurus ou doutrinas salvadoras, formulas ou soluções mágicas. O que precisamos aprender não é preciso procurar, vem sozinho, é invocado permanentemente pelo inconsciente.

Pensamos: serei feliz quando tiver um bom emprego, quando editar meu livro, quando encontrar uma pessoa com quem compartilhar a minha vida. Pura mentira. O que pode nos transformar não é o que imaginamos que vai nos transformar. O que vai nos transformar é responder com autenticidade e honestidade a si mesmo, às circunstancias que permanentemente atraímos, prestando especial atenção a aquelas que se repetem incessantemente. No momento que respondemos assim às circunstancias, nos transformamos, já não precisamos mais delas para crescer e deixam de se repetir.

Num mundo onde se trabalha mais da metade do tempo em que permanecemos acordados nossa qualidade de vida e felicidade vai depender muitíssimo de que o tempo dedicado a trabalhar nos dê ou não gratificação. E isso também depende da auto-aceitação.

Quem não se aceita, buscando a aceitação dos outros, vai se identificando com funções e papéis, aceitando se envolver em qualquer atividade que aparentemente lhe dê o reconhecimento e o dinheiro que precisa. Claro que se envolver tanto tempo por dia numa atividade que pouco ou nada tem a ver consigo mesmo, implica numa falta de significado que produz insatisfação a curto prazo, irritação a médio e uma profunda depressão a longo prazo.

Quem se aceita vai deixar que sua voz interna o guie através de seus desejos, anelos e impulsos, de maneira que faça o que fizer sempre terá gratificação e significado, pois suas atividades estão enraizadas na sua essência e ainda teremos dois efeitos colaterais. O primeiro é o prazer, de modo que o dinheiro que ganha não o gastará comprando compensações e o segundo são os resultados. Quando fazemos algo que nos dá prazer o fazemos melhor, simplesmente porque não só temos potenciais para fazê-lo, mas que absorvidos na ação não temos presa para obter resultados.

Outra fonte de grandes desgostos e prazeres são os relacionamentos. Quem se aceita a si mesmo, funciona de uma maneira autêntica nos relacionamentos, não precisa manter nenhuma imagem nem agradar ou controlar o parceiro.

Aceitando-nos e ficando a vontade consigo mesmo, poderemos ver e aceitar o outro e estar à vontade com o parceiro. De fato só se formos capazes de estar bem com nós mesmos e sentirmos bem quando estamos sós, poderemos estar a vontade e sentirmos bem com os outros. Se ainda, pelo fato de nos aceitarmos optamos por atividades onde nossos talentos se manifestam e sentimos prazer não buscaremos nos relacionamentos a maneira de preencher um vazio de prazer e de significado. Relacionar-nos-emos não por necessidade, mas para compartilhar nossa abundância interior e todos os relacionamentos onde nos envolvamos serão gratificantes porque no momento que deixem de ser-lo simplesmente se acabam, sem rancores nem lágrimas. O relacionamento se sustenta pela qualidade do momento e não pela necessidade do outro, pelas promessas, documentos, filhos ou intenções.

Se eu não me aceitar minha necessidade de aceitação se viverá de uma maneira especialmente dramática nos relacionamentos. Ficarei o tempo todo perguntando a meu parceiro “o que eu tenho que fazer para ser amado? Como você quer que eu seja e me comporte para que me aceites?” Assim não só minha auto-estima (pouca) estará nas mãos do outro, mas ficarei fingindo o tempo todo, aumentando assim o nível de sofrimento e falta de significado. Se ainda, como vimos antes, meu trabalho não me proporciona prazer, vou encarar o relacionamento como a única fonte de prazer de minha vida, exigindo do parceiro que me preencha de algo que só eu posso preencher. O pressionarei, cobrarei tudo o que eu faço por ele, ou tentarei controlar e manipular. Ficarei atrelado nas migalhas de atenção que possa conseguir, sem perceber que sou o dono da padaria, e meus relacionamentos parecerão mais uma briga de vampiros que qualquer outra coisa.

Em definitiva o fato de se aceitar a si mesmo permite desenvolver as capacidades internas assim como apreender e crescer com as circunstancias. Não se trata de ser melhor ou pior segundo convenções criadas para, em última instancia, manipular, controlar e explorar os povos, mas ser integralmente o que somos. A não aceitação é a origem de um círculo vicioso que leva ao sofrimento, a frustração quando não ao crime ou à loucura.

Não é necessário nenhum esforço para ser o que somos, para sair do sofrimento, para sermos felizes, basta estar atentos. Só podemos estar atentos si estamos no aqui e no agora. A vida só transcorre no aqui e no agora, a transformação só pode acontecer aqui e agora. A maneira mais simples para sair da compulsão mental de estar no futuro ou no passado é observar a respiração que só acontece e só pode acontecer aqui e agora.

Voltar